Dia de São José



 CATEDRAL DE SÃO JOSÉ 
                      Cyro de Mattos


Sermão de enxó
na santa Sé,
verde formão
a quem vier.

Gestos humildes
de carpina é
toda a cidade
nessa onda a pé.

Romaria essa,
não marcha a ré,
plaina com luz
sal da maré.

Erguido o templo
de São José,
forte a canção
de amor e fé.

MANIFESTO DE DESAGRAVO DA ACADEMIA DE LETRAS DE ITABUNA



        Os membros da Academia de Letras de Itabuna – ALITA, signatários desta nota pública, vêm manifestar seu repúdio às atitudes injuriosas e difamatórias do acadêmico e blogueiro  Rilvan Batista de Santana contra  a instituição e seus diretores atuais, sendo ele um dos integrantes do quadro associativo da entidade.
           Entendemos que uma academia de letras deva pautar-se pela postura ética de seus membros, afetividade e lealdade, promoção e defesa da liberdade de expressão como uma de suas metas principais. Se a ALITA não está sendo eficiente nas suas funções, merece a crítica da sociedade, do formador de opinião, mas em um julgamento pautado em princípios éticos, antes de tudo, com base em elementos verdadeiros e construtivos.
           O membro que renega seu perfil acadêmico e vai ao público para difamar sua entidade, melhor faria se, por coerência, pedisse o afastamento e, desligado da instituição, emitisse sua opinião agressiva sobre a atuação dos demais membros, ou mesmo da instituição como um todo.
           É inadmissível que a crítica nutrida na aleivosia, ressentimento e perseguição seja levada ao público por um dos seus membros contra a própria instituição e os integrantes de sua Diretoria, pessoas honradas, que vêm prestando serviços positivos à sociedade local ao longo dos anos. O plantel de membros da Academia de Letras de Itabuna é constituído de expressivos escritores e poetas, comunicadores, juristas, competentes professores universitários, valorosos atores, gestores culturais.
           Desprovida do bem, a crítica insensata, praticada reiteradas vezes por um dos membros da Academia de Letras de Itabuna à própria instituição, da qual o ofensor faz parte, não merece crédito, levando-se em conta vários aspectos. Quando usa seu blog, o acadêmico em foco o faz no afã de difundir o terrorismo cultural, ferindo a ética, maltratando a verdade, tornando a vida tumultuada e feia. Demonstra, com isso, a natureza de alguém que, na condição de órfão do mundo, quer aparecer a qualquer custo e enganar os incautos.
           Desde 2011, quando foi instalada, até a presente data, a instituição vem prestando serviços relevantes à comunidade. O registro da memória das atividades desenvolvidas faz parte do noticiário local e dos assentamentos arquivados na ALITA, inteiramente à disposição de quem queira consultá-los.
           A Academia de Letras de Itabuna foi criada pelo idealismo do promotor Carlos Eduardo Lima Passos, dos  juízes de Direito Antonio Laranjeira e Marcos Bandeira, do professor universitário e escritor  Ruy Póvoas e do escritor Cyro de Mattos. Não surgiu para abrigar figuras inexpressivas em seu quadro, nem ser um clube de serviço onde circule o elogio fácil e o alimento da vaidade. Não se trata de um valhacouto de idosos como ofende injustamente o acadêmico inconformado e blogueiro Rilvan Batista de Santana.
           Em razão dos fatos expostos, os signatários desta nota pública, de maneira constrangida, vêm manifestar seu repúdio geral e irrestrito às acusações inconsequentes e infundadas do confrade Rilvan Batista de Santana contra a Academia de Letras de Itabuna e sua diretoria atual.

                                                                        Itabuna, 10 de março de 2017

Sônia Carvalho de Almeida Maron, Ruy do Carmo Póvoas, Lurdes Bertol Rocha, João Otávio de Oliveira Macedo, Cyro Pereira de Mattos, Carlos Eduardo Passos, Marcos Antonio Bandeira, Sione Porto, Janete Ruiz Macedo, Silmara Santos Oliveira, Maria Delile Miranda de Oliveira, Maria Palma de Andrade, Raquel Rocha, Margarida Cordeiro Fahel, Ary Quadros Teixeira, Maria de Lourdes Netto Simões, Carlos Valder do Nascimento, Maria Luísa Nora.

DIA INTERNACIONAL DA MULHER : 8 DE MARÇO


 



     A comemoração justa do Dia Internacional da Mulher, a cada 8 de março, é uma vitória das mulheres trabalhadoras que sempre reivindicaram por seus direitos trabalhistas, socioculturais, respeito a sua dignidade de pessoa humana, condições dignas de trabalho e direito ao voto.
    Na metade do século XIX e início do século XX, uma categoria de mulheres trabalhadoras criou um movimento de classe nos EUA e na Europa, a fim de pleitear, depois de muitas lutas, melhores condições de trabalho, em razão de a Revolução Industrial impor uma carga de trabalho superior a 15 horas, totalmente desumana, além das condições precárias em que era exercido.
O incêndio da fábrica Triangle Shirtwaist Company, em 25 de março de 1911, popularmente tido como o marco que deu origem ao Dia da Mulher

    Em 1910, durante uma conferência sobre as mulheres, em Copenhague, Dinamarca, o movimento iniciado no ano de 1909 estabeleceu que o Dia Internacional da Mulher seria comemorado no dia 8 de março, sob a liderança da intelectual socialista e militante alemã Clara Zetkin, que apresentou uma resolução para que se criasse uma jornada de trabalho especial para as mulheres.
      Propôs a socialista a comemoração anual, que seria o marco para os direitos efetivos das mulheres trabalhadores de todas as classes, seguindo o exemplo das americanas. Mas, somente em 8 de março de 1975, durante o Ano Internacional da Mulher, é que a ONU – Organização das Nações Unidas – passou a celebrar o Dia Internacional da Mulher no dia 8 de março. Vale lembrar que o reconhecimento global ocorreu somente em dezembro de 1977.
   Constam historiadores, com algumas controvérsias, que a conquista das mulheres ocorreu em 8 de marco de 1857, através de uma grande greve dos trabalhadores da indústria têxtil nos EUA, em que as mulheres eram discriminadas nas atividades laborais em todas as classes, seja com salários inferiores aos do sexo masculino, falta de condições de trabalho, sem igualdade nos seus direitos civis, sociais e políticos, sendo o movimento reprimido com força policial inteiramente desproporcional.
     Em 25 de março de 1911, o mito da desvalorização e preconceito contra as mulheres ficou evidente com o incêndio na fábrica têxtil nova-iorquina Triangle Shirtwaist Company, onde 145 trabalhadores, a maioria de mulheres (129 ou 130), morreram queimados. Tal incêndio foi devidamente ocasionado pelas precárias condições de segurança no local. Em decorrência do fato trágico, que repercutiu no mundo inteiro, novas melhorias na segurança de trabalho foram implantadas nas fábricas americanas.
     Na Alemanha, outro movimento fundamental ocorreu em 8 de março de 1914, ficando conhecido como a Marcha do Dia das Mulheres, ao passo que, durante a revolução russa de 1917, a greve de fome das operárias fortaleceu ainda mais o grito de liberdade das mulheres.
    Sem dúvida, as lutas sangrentas nos EUA, com morte e luto, foram o marco para as vitórias dos direitos trabalhistas, sociais e civis, de todas as mulheres, sendo instituído somente em 24 de fevereiro de 1932 o voto feminino no Brasil. 




Sione Porto
Delegada de policia


Mestranda em Mediação e Solução de Conflitos pela Funiber - Fundación Ibero Americana - Espanha.


DIA DA MULHER: Antologia Poética da Não Resignação da Mulher



                                                          Cyro de Mattos

Sob a coordenação de Alfredo Perez Alencart, enorme poeta que é também professor universitário, promotor cultural de larga extensão,  foi publicada no ano passado em Salamanca, Espanha, a antologia No Resignación, obra que reúne  136 poetas. 72 mulheres e  64 homens, de  35 países representando cinco continentes. A antologia é um depoimento contundente ante o ultraje vergonhoso que vem sendo praticado contra a mulher, ao longo dos séculos,  e, entre os poetas,   estão  presentes os  brasileiros  Álvaro Alves de  Faria,  Helena Parente Cunha, Alice Spíndola, Marcia Barroca e Rizolete Fernandes.
       Obra de flexões poéticas diversas, de nobre alcance em sua problemática existencial, testemunha a vergonhosa atitude machista contra quem, sendo a outra parte do homem,   alimenta a criação, afasta o sal da terra, a tristeza e a agonia. Acende os risos. Traz na forma do sol o fruto sazonado. De onde vem o leite para  causar o espanto e adoçar as cores do mundo. Sem teus fluidos, sabemos, que o mundo seria luto, a  natureza sem matriz perdida de sentido.  Ninguém saberia da alegria  na casa onde se ouvirá : “Morre, noite!” 
       Essa antologia, com ilustração do pintor espanhol Miguel Elias, o selo editorial do Ajuntamento de Salamanca, merece divulgação sob vários aspectos. Contra uma situação lamentável, vitimando a mulher sob a violência, o preconceito, a desigualdade de oportunidades, o desempenho inferior  e a exploração sexual, Álvaro Alves de Faria diz “Sueño, mujer, tu espacio, tus alas”, Yolanda Izard versifica “Las voces de las mujeres se escriben en el silencio de la cocina”, Hiroshi Tomita “Que no se desangre el amor/en la sombra,/en la niebla”, Gioconda Belli escribe: “El hombre que me ame/no dudará de mi sonrisa”,  Gloria Sánchez: “¡Esclava del horror!”.  Horror é o que oferece os telejornais diários, notícias nas quais o telespectador acostumou-se  recebê-las sem  pensar na dor, na desgraça de quem supõe ser uma vida de todos e para todos.          
         Sinto-me enriquecido em participar, como brasileiro,  dessa antologia com inúmeras vozes poéticas expressivas. Em  meu   “.Poema da Mulher Não Resignada”,  observo: “ Para onde vá sem voz/ Deixa que seja levada./Maneira de ser conduzida/Expressa o espaço inútil. /Golpeada na afronta,/Indisponível de si mesma. /Pousa vazia de sentidos /No rito de cama e mesa./Rolam anos de vergonha, /O que podemos achar nela?/Amanhecer é preciso/ Apesar das opressões...  “

*Cyro de Mattos é escritor e poeta. Membro Titular da Academia de Letras da Bahia e do Pen Clube do Brasil. Primeiro Doutor Honoris Causa da Universidade Estadual de Santa Cruz, sul da Bahia. .  Um dos idealizadores da Academia de Letras de Itabuna (ALITA).