Ruy Póvoas é homenageado pela Câmara de Veradores de Itabuna

 
Com sessão especial, o Legislativo de Itabuna reverenciou na terça, 17, o religioso Ruy Póvoas pelos 50 anos como babalorixá (chefe espiritual no candomblé). Autor da sessão, Aldenes Meira (PCdoB) enfatizou o combate à intolerância religiosa. A Casa já havia aprovado, por unanimidade, moção de congratulações pelo Jubileu de Ouro. “Isso mostra que, independente das crenças, os vereadores sabem respeitar as demais”, comparou Aldenes.
Além das mensagens afetuosas de integrantes do candomblé, Ruy Póvoas foi saudado por autoridades civis. A juíza aposentada, Sônia Maron, frisou a atuação dele pela liberdade religiosa, “distribuindo conhecimento e afetividade”. A presidente da Fundação Marimbeta, Cleonice Almeida, enfocou o “trabalho árduo e corajoso [do também professor Póvoas] pela educação itabunense”.
Em seus agradecimentos, o babalorixá Ruy Póvoas frisou a crença na liberdade. “O ser humano deve ser livre nas suas escolhas, inclusive de religião”. Ele salientou que há pessoas que, mesmo refutando o candomblé, acreditam na “causa que sempre defendemos: liberdade, respeito, honestidade”. Aos seus filhos de santos, participantes do terreiro e amigos, Póvoas agradeceu: “Sou o que vocês fizerem de mim”.
 
 Fonte: ASCOM Câmara
 
 
 
 


 
 

Fotos: Pedro Augusto

Academia de Letras de Itabuna abre projeto Roda de Leitura com beleza e magia




 

Por Celina Santos

 

 
 

Cyro de Mattos lança “A Casa Verde e Outros Poemas”




O acadêmico e escritor Cyro de Mattos lança, no dia 24 de outubro, às 17h, o livro A Casa Verde e Outros Poemas. O encontro com o público acontece na sede da Academia de Letras da Bahia, no bairro de Nazaré. A obra teve a tradução para o inglês realizado pelo professor Luiz Angélico da Costa, além de ilustrações de Ângelo Roberto. Publicado pela editora Mondrongo, a publicação compõe-se de duas partes.

No primeiro momento, o poeta baiano, natural da cidade de Itabuna, busca com versos despojados a recuperação da alma de um tempo perdido, estabelecendo o diálogo entre a poesia e a memória, que é o lugar onde nasce a história com as pessoas, fatos e coisas. A outra etapa do livro é formada pelos poemas “Canto a Nossa Senhora das Matas”, “Um Poema Todo Verde”, “Morcego”, “Boi”, “Galos”, “A Roda do Tempo”, “A Árvore e a Poesia”, “Passarinhos” e “Devastação” (I,II).

 

Fonte: Academia de Letras da Bahia
 
 

Aniversário de Itabuna




Hoje, 28 de julho
Minha terra faz 107 anos
Não é muito para uma cidade
Mas é um tempo sensível para mim. 

Infante, como no retrato, descobri o rio
Que escorria a chuva passageira
E a luz do sol. 

Plantado no jardim da Prefeitura
Já os canteiros floriam seus aromas
Ao calor da tarde...

Eis que ensaios no clube social
Musicavam - singularmente para mim
Anúncios do entardecer. 

Em minha terra um mundo se descobre
E serei esse momento para sempre. 
ROP
____________________________________________
Renato de Oliveira Prata
Nasceu em Itabuna, BA e foi secundarista em Salvador. Estreou literariamente publicando ensaios na revista Afirmação (nº.1, 2, 3 e 4). Participou das publicações: Painel Brasileiro de Novos Talentos - 20 (Rio de Janeiro, Câmara Brasileira de Jovens Escritores, 2ªed. 2003); Poetas da Bahia - II, III( Salvador, Ed. Expogeo, 2003, 2015 ), Outros Riscos, coletânea dos 40 selecionados Livro do Prêmio Damário DaCruz de Poesia. Salvador, 2013.
Teve publicados os livros:
Sob o cerco de muros e pássaros, Poesia, Prêmio Braskem Cultura e Arte. Salvador: Fundação Casa de Jorge Amado; Braskem, 2003;
A Quinta Estação. Salvador : Ed. do Autor, 2007;
A Pulseira do tempo. Ilhéus, BA: Mondrongo, 2012.
Mar interior, poesia.  Ano I, prêmio do Selo Literário João Ubaldo Ribeiro/  Salvador:Fundação Gregório de Mattos, 2015.
Pequena Antologia Poética (Org. Heloísa Prazeres), Itabuna: Mondrongo, 2017 ( no prelo).
Renato Prata é Membro da Academia de Letras de Itabuna, ALITA, cadeira n° 20.