ESCRITOR AFFONSO ROMANO DE SANTA'ANNA COMENTA POSTAGEM DESTE SITE E ENVIA CRÔNICA






REDESCOBRINDO O AMOR DOS CÃES                   


AFFONSO ROMANO DE SANT’ANNA

        Devo confessar  que os cães entraram muito tarde em minha vida. Antes olhava-os com distante complacência. Não os hostilizava, mas também não sucumbia à sua sedução. Mas as coisas começaram a mudar há algum tempo. Talvez seja aquela coisa  da sabedoria popular que diz, que quanto mais a gente conhece os humanos mais gosta dos animais. Agora, por exemplo, nesse exato momento, uma linda yorkshire com nome de fada escocesa - Pixie, veio enroscar-se nos meus pés, enroscar-se nas frases dessa crônica.
       Da infância, além dos cães da vizinhança ficou-me na memória apenas aquele cão Veludo,  num poema que a gente, entre lágrimas, ouvia nos concursos de declamação: “Eu tive um cão, chamava-se Veludo /Magro, asqueroso, revoltante, imundo/ Para dizer numa palavra tudo/ Foi  o mais feio  cão  que houve  no mundo”. Não me lembrava quem era o  autor   e  agora, uma  amiga, daquele tempo em que a “escola era risonha e franca”,  me traz de volta a cópia do mesmo. Mas o que interessa é que o poema  contava de maneira patética como aquele cão feíssimo  abandonado por alguém na hora da partida deu provas de amor ao dono até à morte.
       Outro dia estava em casa de amigos e quando me dei conta, a noite toda tinha se escoado com as pessoas contando só estórias de fabulosos, inteligentíssimos  e amorosos cães que tiveram. Claro, tem sempre alguém que diz, que amou tanto o seu cão, que enviuvou-se dele para sempre e nunca mais terá outro.
     Passei,  portanto, a observar  a sociedade canina com admiração crescente, o que,  repito, não posso dizer das sociedades humanas. Já tinha me dado conta que  um cão lá em minha casa, em Friburgo,   era vidrado nos adágios de Beethoven e ficava felicíssimo ouvindo o Concerto para violino de Mendelssohn Já essa cachorrinha aqui surpreendia-a várias vezes vendo a novela das oito. Outro dia, no veterinário, a dona de um poodle, me perguntou ostensiva quantos cães eu tinha, para   ela mesma ter  a chance de me dizer que  tinha sete, alguns dos quais  colhidos na rua.  E falava isto como quem, prazerosamente,  em breve iria ter setenta.
     Mas entre as consequências de ter cães, está a ressocialização dos humanos. Exato. Os animais ajudam os humanos a se ressocializarem.Vejo isto aqui pelas calçadas de Ipanema e Leblon. Como os proprietários de cães  se param nas ruas e de alguma maneira também se cheiram socialmente, havendo casos, não poucos, de acasalamentos também de donos. E falam de seus cães como se falassem de filhos e netos. Talvez até com mais carinho. Pois os animais, embora tenham a tendência a assimilar características de seus donos são  menos exigentes e em muitos casos, mais gratificantes  que os humanos.
       A comunidade dos que amam cães tem algumas características próprias. É possível que sejam semelhantes à  irmandade dos  que amam cavalos, gatos… e   pessoas. São nichos de afeto  dentro da vida. Já foi constatado que o contato físico com alguns animais, melhora nossa saúde. Acho que muitas pessoas  teriam uma cura psicanalítica mais barata se adotassem certos tipos de cães, mesmo porque eles se parecem com  os psicanalistas, não  falam, e podem nos fazer companhia mais do que uma sessão de 50 minutos. Assim como há colecionadores de selos e esperantistas, os proprietários de cães constituem um mundo à parte, e sendo em maior número que aqueles, na verdade,   pode-se dizer que eles é que são propriedades de seus cães. Tive disto a prova real, quando  telefonando para uma clínica de cães para marcar mais uma vacina, ouvi a moça do lado de lá me perguntar, quando disse o meu nome :- “Affonso, de que cachorro?”.
    Quer dizer, assim como o Sérgio Buarque de Hollanda, historiador famosíssimo dentro e fora do Brasil dizia que  um dia teve que se defrontar com o fato de que as pessoas o identificavam simplesmente  como “o pai do Chico”, tive que chegar a essa altura da vida para ser o pertencimento de meus cães. Talvez isto não seja tão mal, pois foi assim que  Francisco chegou à santidade. De resto, isto não me desagrada. Melhor pertencer a alguns cães que a certos credos e partidos.





E-mail enviado por Affonso Romano de Sant’anna

Ceres, li no site da Academia de Letras de Itabuna as diversas matérias e informações (como o falecimento de Sonia Coutinho que bem conheci). Li também duas coisas curiosas: aquela sobre CRESTOMATIA  - nós a tínhamos lá em casa!… E sobre o cão Veludo lhe mando uma crônica a respeito. 


Abraço


Affonso