Canto de Firmino Rocha- Por Cyro de Mattos

 


            Tuas penas feridas

 com o fuzil

                 que deram ao menino

                         teus ventos companheiros

                  redimindo as calçadas

            no gesto de estrela

                 um novo dia anuncias

                   dos longes comovidos

               nas águas dormindo

              onde o ouro vegetal

                  flora como flama eleita

                   os fragmentos colhidos

                     nos seios da madrugada

                o discurso elementar

                 de sol com borboletas

                     em tua metáfora solitária

                       ciranda de todas as relvas

                               ébria de amor por nós mesmos

                     enquanto durou a cantiga

                       nos becos o esgar dos dias

               o comentário esquivo

                    nenhum rancor ouvimos

        como conseguias

             permanecer menino?

                teu pássaro puro reluz

         nesse canto sereno

               agora legiões de anjos

                 te escutam em silêncio

                      tua hora de no eterno voar.

 

 

(Do livro Os Enganos Cativantes, poemas)

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário