Dizeres esparsos: espaços de nós - Ruy Póvoas

 Dizeres esparsos: espaços de nós é o quinto livro de poemas publicado por Ruy Póvoas. Nele, continua a proposta apresentada nos livros anteriores: o texto é estruturado com leveza, rapidez e visibilidade. Tais qualidades vem no rastro de Calvino em suas Seis propostas para o terceiro milênio.

Para quem conhece de perto a obra de Ruy Póvoas  vai constatar que, mais uma vez, ele se mostra afeito ao postulado bachelardiano de examinar o dado evidente, atravessar a realidade e mostrar o real oculto.

Também vale considerar sua predileção pela metáfora mítica. Ele mesmo, na apresentação deste livro, oferece uma pista para a interpretação do leitor:

“Meu viver é profundamente marcado pela cultura de matriz africana e pelo imaginário sociorreligioso nagô, preservados no Brasil a duras penas, aos trancos e barrancos. Por isso, experencio a metáfora mítica, própria daquele povo, que consiste substancialmente na identificação da expressão metafórica com o objeto, conforme Cassirer interpreta.”

Trata-se, portanto, de um livro diverso e diferente. Linguagem bastante accessível, sintaxe sem torneios, aproximação da fala cotidiana são as marcas distintivas dos poemas que, segundo o autor, aparecem numa ordem aleatória. Esse último aspecto, somado àquele outro da diversidade temática, confere ao livro um ritmo tal qual ocorre nos nossos estados emocionais. Essa é a marca mais identificadora dos poemas que Ruy Póvoas torna a nos oferecer.

E a grande surpresa: desta vez, o próprio Ruy Póvoas é o autor da farta ilustração, em parceria com Álvaro Coelho, ambos agenciando leveza, rapidez e visibilidade. Por isso mesmo, é um livro que veio para ficar.






Nenhum comentário:

Postar um comentário